Racionais MC’s anunciam turnê pátrio para publicar o disco Cores & Valores

Por Luciana Rabassallo

Os Racionais MC’s anunciaram nesta sexta-feira, 6, que farão uma turnê pátrio em 2015. Segundo um expedido solene, a excursão do grupo de rap começa em 11 abril, com um show em Sumaré, cidade localizada no interno de São Paulo, e terá a participação de Rincon Sapiência.

Racionais MC’s estamparam a revestimento da edição de natalício da Rolling Stone Brasil em 2013. Leia a material completa.

A base das apresentações será o trabalho mais recente dos Racionais, Cores & Valores, lançado em novembro de 2014 e eleito o Melhor Disco Nacional do ano pela revista Rolling Stone Brasil. Os shows terão cenários e convidados especiais. Ainda segundo o expedido, a produtora Boogie Naipe afirma que está procurando levar as apresentações para um público cada vez maior, em diversas regiões do país.

Exclusivo: Racionais MC’s falam sobre o disco Cores & Valores e revelam planos para um novo lançamento.

Veja as primeiras datas da turnê Cores & Valores:

11/4 – Sumaré, SP (convidado: Rincon Sapiência)
24/4 – Curitiba, PR
9/5 – Sorocaba, SP
16/5 – Rio de Janeiro, RJ
13/6 – Osasco, SP

Sobre o disco Cores & Valores
Doze anos depois Nada Como um Dia Após o Outro Dia chegar às lojas, os Racionais MC’s lançaram, no mês de novembro, o oitavo álbum de estúdio da curso deles. Cores & Valores é constituído por 15 faixas e tem aproximadamente 35 minutos de duração.

Racionais MC’s mostram renovação e influência da trap music em Cores & Valores.

S trabalho, que marca os 25 anos de estrada do grupo mais emblemático do rap pátrio, formado por Mano Brown, Ice Blue, Edi Rock e KL Jay, é, na verdade, um grande duelo para os músicos. Nos últimos anos, alguns membros dos Racionais têm sido criticados por participações solo em programas populares de televisão e, também, por um posicionamento menos radical em relação à mídia. Além disso, algumas apresentações do coletivo em boates frequentadas por jovens da escol paulistana foram repudiadas por fãs conservadores do movimento hip-hop.

Racionais MC’s abandona exposição inflamado e brinda 25 anos de curso com show memorável em São Paulo.

Nos 12 anos que separam Nada Como um Dia Após o Outro Dia de Cores & Valores, grandes mudanças ocorreram no país. Na música, a novidade geração do rap, encabeçada por nomes porquê Criolo e Emicida, saiu das batalhas da Santa Cruz e da Rinha dos MC’s rumo ao mainstream. S hip-hop deixou de ser, exclusivamente, a música de protesto produzida na periferia e passou a falar (também) sobre relacionamentos amorosos, amizade e festas. Na espaço econômica, o incremento do Brasil deu aos menos favorecidos um poder de compra maior e facilitou o aproximação à cultura.

Edi Rock defende ida à Globo e ressalta que veio do rap de raiz.

“Eu Compro” é o retrato evidente da evolução econômica no país: “Eu quero/ Eu compro / E sem desconto / O vista / Mesmo podendo remunerar / Podem ter a certeza de que vão suspeitar”. Essas mudanças, entre muitas outras, estão diretamente refletidas em Cores & Valores. Na sonoridade das batidas, o disco acompanha a tendência mundial da trap e da bass music – usando e abusando dos graves, viradas e efeitos. S termo trap, que...

surgiu em Atlanta, nos Estados Unidos, em meados dos anos 2000, vem do trap rap, um derivado do dirty south, estilo de hip-hop que domina todo o sul setentrião-americano com nomes porquê GucciMane, T.I. e Waka Flocka. Nas letras, a renovação da sonoridade fica ainda mais clara.

Apesar de ter faixas porquê “A Escolha Que Eu Fiz”, que fala sobre a prisão de um bandoleiro, e “Eu Te Disse”, que retrata a periferia, o disco abandona o exposição extremamente político e dá espaço para canções porquê “Eu Te Proponho”, uma balada romântica, e “A Praça”, um relato sobre a confusão que aconteceu durante um show dos Racionais na Virada Cultural em 2007.

Racionais MC’s confirmam disco de inéditas para dezembro: “Será potente”, garante KL Jay.

A “guerra” foi a responsável por tirar os artistas de rap da programação do evento, que acontece anualmente na cidade de São Paulo, por seis (intermináveis) anos. A situação só foi revertida em 2013, quando os Racionais voltaram a se apresentar na Virada Cultural. S show que reuniu muro de 100 milénio pessoas, foi marcado pela silêncio. Em 2014, a volta do RZO e um palco devotado exclusivamente ao hip-hop sacramentaram o gênero porquê um dos elementos mais representativos do festival.

“Desde que comecei no Racionais, sou mais jovem, educado e espiritualizado”, afirma KL Jay.

A introdução do pandeiro em “Quanto Vale o Show?” é uma deixa da pegada mais “pop” do disco. Com produção de Mano Brown e de DJ Cia, do RZO, Brown rima sobre a juvenilidade difícil nas ruas do bairro do Capão Redondo, em São Paulo, e também sobre o prelúdios da curso do grupo, enquanto a batida conta com um riff de guitarra rasgado e com o sample de “Gonna Fly Now”, do músico Bill Conti, tema de Rocky – Um Lutador.

Mano Brown diz estar prestes para as críticas ao seu trabalho solo, que investe em disco music e funk.

Outro destaque é “Cores & Valores – Finado Neguin”. Na melodia, Mano Brown relembra o grande camarada dele, Emerson Neguin, que morreu em 2002, vítima de um acidente de moto. S “brother” de Brown foi o responsável por escolher as cores laranja e preto para simbolizar a Vila Fundão, região do Capão Redondo em que o rapper nasceu, cresceu e vive até hoje. S “uniforme” coloriu os shows dos Racionais durante a turnê de 25 anos e também está na foto que ilustra o encarte de Cores & Valores.

Fonte:Rolling Stone Brasil



Mude para versão para dispositivos móveis deste site