Esquenta para o Elrow: Sidney Charles fala sobre seu retorno ao Brasil e curso


A jornada de Sidney Charles no mundo do house e do techno começou quando ele começou a misturar hip-hop, soul e funk aos 15 anos. Sempre rodeado do multiculturalismo, nos anos 80 e início dos anos 90, suas atenções foram levadas a outros sons da era, aproveitando também o seu primeiro auge.

Uma vez que produtor, começou a lançar músicas unicamente em 2011 e as conquistas de Sidney são ainda mais impressionantes. No tempo de unicamente cinco anos, seus trabalhos que mesclam do house e techno, foram cada vez mais destacados, além de seus remixes que aumentaram sua influência e o ajudaram a se tornar um dos maiores nomes do underground.

Colecionando passagens por diversos países e com um set envolvente, Sidney já possui uma conexão privativo com a América do Sul e retorna para o Brasil levante ano no dia 20 de dezembro com a Elrow na ARCA, em São Paulo.

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

Aproveitando essa passagem e mega evento chegando, batemos um bate papo individual com Sidney Charles. Confira a seguir:

Oi Sidney, é um prazer conversar com você. Seu último lançamento é “Time To Groove“, você poderia nos recontar mais sobre essa filete?

Ei mate, o prazer é todo meu! Com tempo para curtir, eu queria voltar aos anos 90. As percussões, um som harmônico e inferior, basicamente tudo foi feito com equipamento analógico e eu queria toar porquê uma música que foi feita naquela era. Eu deixei de fora todos os efeitos desnecessários e o mantive cru para dar uma sensação mais underground.

Definitivamente, podemos manifestar que você é um dos maiores nomes do underground. Na sua opinião, o que torna suas produções tão únicas e por quê?

Fico feliz em saber que você vê dessa maneira. Eu realmente não sei por que minhas produções são únicas, mas se eu tivesse que supor, acho que é porque de alguma forma eu encontrei um som específico que as pessoas relacionem com o meu nome.
A maioria das minhas produções é enérgica e divertida, e eu sempre tenho muito swing/shuffle nas minhas faixas. Talvez esse seja um dos principais ingredientes em minhas faixas.
Ao mesmo tempo, eu sempre tento fazer um pouco novo… Eu realmente não paladar de fazer as mesmas faixas duas vezes com a mesma bateria ou sintetizador. Portanto eu acho que a variedade é um pouco realmente importante para mim.

Existem diversas maneiras sobre o “estado mental ideal” para ser criativo. Uma vez que é para você? Existem estratégias para entrar nesse estado com mais facilidade?

Na minha opinião, a mente criativa ideal é quando você acaba no túnel sem pensar em zero além do que está acontecendo no seu momento presente. E neste momento tudo o que é importante é a música e o processo de criá-la. Parece um pouco porquê quando você está em uma corrida de sobranceiro nível e durante a corrida, quando seu cérebro de repente desliga todo e você chega a um evidente estado de espírito unicamente concentrado em uma coisa e somente essa coisa conta. Eu acho que também é um momento muito meditativo.

Falar de si mesmo é sempre difícil. Mas o que você está ouvindo? Se você...

pudesse recomendar 3 DJs/produtores para 2020, quais seriam?

No momento, meus três principais artistas produtores são Djoko, Locklead e Sweely. Definitivamente, eu tenho desvelo para não tocar muitas faixas deles nos meus sets.
Já sobre DJ, eu sempre sou um grande fã de Benny Rodrigues. Ele sempre me surpreende e suas habilidades são excelentes.

Os seus sets estão sempre cheios de robustez e uma vibe muito boa, de bônus: você está sempre sorrindo. Portanto, o que você mais patroa no que você faz?

Eu acho que a melhor secção do meu trabalho é sentir a crítica de seus fãs. Quando você termina um set e recebe várias mensagens de porquê as pessoas estão felizes por estarem dançando com sua música… Isso não tem preço.

E você está prestes a vir para a América do Sul agora em dezembro. Você está empolgado com esta turnê?

Oh, eu estou muito entusiasmado porquê sempre. Estarei no Brasil, Colômbia, Uruguai e Argentina, será uma longa viagem com muitas emoções, com certeza!!

Sobre o seu show no Brasil, você voltará novamente levante ano para São Paulo. O último foi no D-EDGE e agora em Elrow. Uma vez que sabemos, Elrow é uma sarau louca e a vibe brasileira combina muito muito com essa sarau. Portanto, porquê você se sente em voltar ao nosso país e tocar neste evento privativo?

O Brasil é um dos meus países favoritos para tocar nos últimos anos! Principalmente São Paulo nunca me decepcionou. Elrow é a maior e mais bem-sucedida sarau do momento. Portanto, quando essas duas coisas se juntam, eu tenho mais do que certeza que vamos nos divertir!!

Bom, todo mundo quer saber: existe alguma colaboração vindo por aí? Você pode nos dar qualquer spoiler sobre seus próximos lançamentos?

Meu próximo lançamento será em meu próprio selo, Heavy House Society, que eu lancei recentemente. Existem duas faixas solo que eu toquei muito nos últimos meses e elas foram minhas armas secretas!

E o que podemos esperar de Sidney Charles para o resto do ano?

Muitas músicas novas estão chegando muito em breve. A turnê pela América do Sul de que falamos é o meu final perfeito para 2019. Estou muito feliz em voltar e compartilhar minhas novas músicas com vocês!

Obrigado pela conversa. Nos vemos em breve cá no Brasil! Deixe uma mensagem para seus fãs brasileiros.

Brasil, eu senhor vocês!

Ingressos para o Elrow ainda estão disponíveis no site da Eventbrite.



Manancial Notícia -> :Fonte Notícia



Mude para versão para dispositivos móveis deste site